Bangalô Dog Hostel ​© 2017 |

Escola - Hotel - Consulta Comportamental - Treinamento

(11) 9 7337-2725 | (11) 9 7222-3635

bangalodoghostel@gmail.com

Av Manuel Augusto de Alvarenga, 67 - São Paulo/SP

  • YouTube - Círculo Branco
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

Nossa História

          Oi! Eu sou a Renata e vou contar a história do Bangalô para vocês. Mas devo dizer que é impossível falar do Bangalô como empresa sem contar a nossa história como pessoas e casal. 

     A arte dos encontros!

    Sabe aquela teoria que diz que, no mundo são necessários no máximo seis laços de amizade para que duas pessoas quaisquer estejam ligadas? Pois é.

        Eu sou daquelas que acredita que na vida nada é por acaso e que alguns encontros já foram programados. A nossa história começa lá em 2006, quando eu entrava no meu primeiro emprego formal. O Thiago também trabalhava lá. Mas nessa época não trocávamos mais do que "bom dia", "oi" e "tchau" . Depois de alguns anos nos reencontramos e entre encontros e desencontros, nos conhecemos melhor e nunca mais desgrudamos.(SOBE CORAÇÕES NESSA HORA)

PROPÓSITO DE VIDA

            Começamos a dividir visões de mundo, sonhos, idéias e aos poucos descobrimos um jeito muito parecido de ver a vida. Queríamos ser felizes de Domingo a Domingo e não passar cinco dias esperando o final de semana chegar. Nessa altura do campeonato eu já estava mais perdida profissionalmente do que uma agulha no palheiro. Custou a entender que o que estava faltando era o tal do PROPÓSITO.

           O Thiago já estava há um bom tempo convivendo e trabalhando com os cães em um daycare, isso o aproximou do manejo com os cães. Ele já tinha idéias e sonhos de viver profissionalmente nessa área, mas precisava formar a sua própria matilha.  Nessa época, os nossos finais de semana já eram comprometidos com os cães. Eu o acompanhava nos passeios  que ele fazia para complementar a renda mensal. Foram nesses passeios que eu comecei a olhar o Universo dos cães com mais detalhe e começamos a ter as primeiras ideias sobre construir um negócio juntos e com propósito.

Planos mirabolantes com cheiro de amô e uma pitada empreendedorismo totalmente intuitivo!

             Entre 2014 e 2015, o plano era encontrar uma casa para morarmos juntos e começar o nosso próprio trabalho com os cães! Não sabíamos muito como a coisa ia acontecer, mas sabíamos que ia acontecer!

Começou a procura de casas. Procuramos, quase achamos várias vezes, sonhamos, fizemos contas, marcamos visitas, mandamos propostas e passamos sábados e mais sábados tentando achar um cafofo ideal, mas tudo que cabia no bolso não era muito bem o que a gente precisava. E foi assim durante um tempo. Procurar casa no final de semana e na Segunda-feira voltar para os nossos empregos formais sonhando com a forma pela qual concretizaríamos o Bangalô.  

Um dia, marcamos uma visita com o corretor, o cara não apareceu, não atendeu, ficamos muito frustrados e cansados, mas nesse mesmo dia, passamos em uma rua larga, tranqüila, com uma localização interessante e vimos ali um sobrado bem fofo com a placa de Aluga-se. Ligamos e fizemos a visita no mesmo dia. Estava dando tudo certo!  O quintal não era gigante, mas pra começar estava mais do que bom. Deu certo! Era pra ser!

O ano: 2015! Casa nova! O sonho: Viver um trabalho com propósito!

         Era só o começo!  Assim que mudamos fazíamos planos sobre o Bangalô. Quase sempre, antes de dormir. Foi numa dessas conversas que saiu duas decisões importantes:

  1. Surgiu o nome Bangalô Dog Hostel

Não queríamos nos limitar em fazer hospedagem apenas no estilo familiar, porque a ideia era profissionalizar o trabalho com os cães, mas também não queríamos nada que soasse como um grande hotel de luxo, porque não era. Era a nossa casa, uma hospedagem com o nosso jeito de ver a vida. Na comparação com os serviços de hospedagem humana lembrava muito mais um hostel do que um resort. Pensávamos muito sobre algum formato que nos permitisse proporcionar um ambiente caseiro, mas com muito profissionalismo. Um misto do que o seu dog precisa como espécie canina, mas no aconchego da nossa casa. Daí veio o nome Bangalô, uma casa simples, mas nada simplista! Pronto! Parimos o Bangalô Dog Hostel.  Agora faltavam os clientes.

   2. Sociedade em família

Meu sogro, Carlos, não estava mais atuando na área dele  e mesmo já aposentado ainda tinha muito o que contribuir para a sociedade. Então, se juntou ao nosso time. Ele nos ajudaria com as manutenções do espaço e com os cães, porque neste começo tocaríamos os nossos empregos fixos em paralelo. Hoje, ele faz o transporte dos cães. e é o nosso braço direito e esquerdo pra tudo o que manutenção do espaço e também para as burocracias da vida.

o primeiro hóspede a gente nunca esquece!

       Em Outubro de 2015, veio o nosso primeiro hóspede. O Jack, era o dog de um ex-chefe.  Se algum dia você ler isso aqui: Valeu, Rafa, nunca vamos esquecer o nosso primeiro hóspede e cliente. <3

Daí veio Novembro e com as indicações vieram mais alguns hóspedes. Dezembro de 2015 foi a nossa primeira temporada de hospedagem para as festas de final de ano. Muitos cães! A coisa foi indo no boca a boca mesmo. (MELIOR PROPAGANDA)

Um ano de muita ralação!

           2016 foi definitivamente um ano de luta! Foi nele que nos demos conta de que em pouquíssimo tempo estávamos mergulhados até a cabeça no Bangalô! Praticamente todo final de semana tinha hóspede e na semana também. Quando não estávamos nos nossos empregos, estávamos focados no Bangalô.  A gente nunca parou mesmo pra pensar, era só um impulso que fazia seguir em frente. Uma correria maluca, mas um caminho sendo construído com muito suor! Trabalhar e construir um sonho ao mesmo tempo foi desafiador e de muito crescimento para nós.

 Arriscar o emprego fixo e se jogar no Bangalô? O ponto de virada!

        No final de 2016, já estávamos com muitos hóspedes, a coisa tava rolando! Precisávamos fazer o Bangalô voar, mas pra isso era necessário estar com 100% da nossa energia e do nosso coração alí. Sentimos que o Bangalô só ia, se fossemos com ele MESMO. Por outro lado, ainda dependíamos dos nossos salários.

Contamos os "milréis" e decidimos que o Thiago sairia do emprego para ficar 100% dedicado ao Bangalô. A gente PRECISAVA disso! Arriscamos! Em 30 de Novembro de 2016 foi o último dia do Thiago no trabalho dele. Fiz esse post no dia:

Nem tudo nessa vida a gente consegue planejar...

- Exatos doze dias depois que ele saiu do trabalho, eu fui demitida! PÁ! Houve um corte de funcionários na agência em que eu trabalhava. Caiu a ficha que essa demissão era o empurrãozinho que a gente precisava! Simbora!

Recalculando a rota!

           O que fazer quando você tem um projeto, algumas merrecas e dois desempregos? Ir pra praia, claro! Não pensamos duas vezes, depois da batalha de 2016, juntamos nossas coisas e fomos descansar, pensar e sentir a leveza de quem não tinha mais empregos sem propósito.  Foi o tempo certo que tivemos para zerar, recalcular a rota. Voltamos.  Tivemos um primeiro cliente de creche em Dezembro mesmo e muitos hóspedes de final de ano. O boca a boca foi longe!

2017, de cabeça nos estudos e na escola para cães!

           Agora, sim, 100% focados! Em 2017, além das hospedagens começamos a escola para cães . Até o momento tudo aconteceu muito na raça e na vontade. Mas agora era a hora de construir o nosso conceito, pensar em metodologia, estudar, conhecer e investir nos nossos estudos sobre a espécie que decidimos trabalhar. Mergulhamos de cabeça na psicologia e comportamento dos cães e também na comunicação entre cães e humanos. E depois de muito ampliar o nosso Universo e evoluir com o conhecimento e manejo dos cães, nós decidimos que não fazia sentido passar o dia com cachorros apenas para proporcionar recreação. A gente tinha muito mais para contribuir com  uma vida equilibrada e saudável para eles e para os tutores. Percebemos um buraco enorme entre manter o dog na creche se divertindo aos olhos dos donos e de fato contribuir para uma vida melhor aos cães e famílias.  Em 2017, a creche do Bangalô se tornou uma escola para cães que  proporciona equilíbrio aos cães urbanos atendendo as suas necessidades específicas como espécie e trabalhando individualmente cada um deles. Em paralelo, buscamos promover a conscientização dos humanos em relação às necessidades dos seus cães e a importância de conhecerem de fato os seus animais de estimação para construir uma relação harmônica inter espécies

Depois de muito suor, casa nova!

               2018 o ano começou de casa nova! Bem do nosso jeitinho. Uma casinha simples, mas que bate sol de ponta a ponta, com 300m² , bastante espaço externo para trabalhar com os cães. Com direito a espaço pra piscina, horta e graminha. 

Fechamos 2018 com a participação no Indogworkshops. Nesse curso nos vimos como realizadores, empreendedores, pessoas que querem e vão fazer a diferença no mercado e na vida das famílias que passarem por aqui. Aprendemos muito sobre comportamento canino com a Raquel e com o Roberto, mas aprendemos muito também sobre ser uma empresa de cães feita de pessoas e que trabalha para pessoas. 

Fiz esse post( também na galeria abaixo) resumindo o Indog, dispensa falar muito dele, porque o textão diz por si só a transformação que foi.

 Ufa!

Com toda bagagem que trouxemos, o mergulho nos estudos e com os cursos que nos deram a oportunidade de analisar e resolver cases, em 2018 iniciamos a nossa jornada em consultas comportamentais e treinamentos (trabalho voltado a modelagem comportamental dos cães nas casas do tutores) e em 2019 resolvemos contribuir com os profissionais da área com as consultorias. Tem sido um prazer ensinar e ajudar as pessoas a melhorar o relacionamento com os cães dentro de suas casas.

Amadurecemos, encontramos o nosso propósito, nos profissionalizamos, definimos os caminhos do Bangalô entre vida simples e cães equilibrados e agora daqui de 2019, agradecemos todos os caminhos que se abriram e que se fecharam, as coincidências do Universo que traçaram os nossos destinos e aos clientes que confiam no nosso trabalho. E o resto da história ainda não dá pra contar, porque ela está sendo vivida.